26/08/2016 - Exposição no Terminal da EMTU/SP em Campinas alerta contra o tabagismo



Em comemoração ao Dia Nacional de Combate ao Fumo, que ocorrerá na próxima segunda-feira 29 de agosto, os passageiros que circularem pelo Terminal Metropolitano Magalhães Teixeira da EMTU/SP, em Campinas, vão poder visitar a exposição Respiração Artificial, do artista plástico Roberto Octaviano.  Inspirada na campanha antitabagismo, a exposição traz obras criadas com maços de cigarros, utilizando o plástico protetor, selo, embalagem, papel interno, cigarros, bitucas recolhidas nas ruas e palitos de fósforos, retratando o cotidiano dos fumantes presos a um hábito fatal.

São 23 obras que retratam o surgimento do tabaco, ganhos e perdas, os efeitos a curto e longo prazo, fumantes passivos, doenças associadas ao seu uso, efeitos e danos aos usuários e a poluição ambiental. A visitação gratuita pode ser feita durante todos os dias da semana no Terminal Metropolitano Magalhães Teixeira, na Rua Lix da Cunha, 101 - Bairro Bonfim, Campinas. A exposição se estenderá até 11 de setembro.

No Dia Nacional de Combate ao Fumo, 29/08, o artista irá interagir de forma lúdica com aos fumantes na tentativa de incentivá-los a deixar o maço de cigarro na lixeira do terminal.
Esta ação faz parte do programa Arte nos Terminais da EMTU/SP, empresa do Governo do Estado de São Paulo, que orienta e encaminha os usuários do transporte metropolitano para questões culturais, de saúde, educação e meio ambiente. As ações são realizadas regularmente nos terminais metropolitanos em parceria com entidades estaduais, municipais e privadas.    

Tabagismo
O tabagismo é considerado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) a principal causa de morte evitável no mundo. A organização estima que um terço da população mundial adulta, cerca de 2 bilhões de pessoas, sejam fumantes. Pesquisas comprovam que aproximadamente 47% de toda a população masculina mundial e 12% da feminina fumam.

Os dados da OMS são alarmantes, segundo a organização o tabagismo está relacionado a mais de 50 doenças sendo responsável por 30% das mortes por câncer de boca, 90% das mortes por câncer de pulmão, 25% das mortes por doença do coração, 85% das mortes por bronquite e enfisema, 25% das mortes por derrame cerebral. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), todo ano mais de cinco milhões de pessoas morrem no mundo por causa do cigarro. E, em 20 anos, esse número chegará a 10 milhões se o consumo de produtos como cigarros, charutos e cachimbos continuar aumentando.

O artista
Roberto Otaviano – Artista Plástico é pernambucano do interior passou pelo Rio de janeiro e agora em São Paulo onde se aprofundou mais e mais nas artes plásticas e hoje se define como um artista visceral que gosta de utilizar suas obras para incomodar as pessoas: “eu faço arte para as pessoas refletirem sobre o que fazem com elas mesmas e com o próximo”. “O meu processo foi árduo, a necessidade do dependente ao acordar, antes de dormir e ou durante o dia ter o cigarro como distração e companhia, resultado: Senti a dor de um fumante.

O cheiro das embalagens me incomodou, era preciso sentir outro cheiro, era preciso mergulhar nas embalagens como em tudo, para que o resultado fosse alcançado e não deu outra, tudo o que se faz com verdade, objetivo de alcançar reflexões, mudar a forma de pensar dos outros com uma abordagem sem agredir e ou agradar é atingido. Alcanço feridas com: Respiração Artificial, Feridas estas para não serem mexidas e sou cruel sem maldades até mesmo por não ser bom nem comigo mesmo, quando errado, almejo a justiça, característica minha”. Quero desarmar a resistência de muitos em abandonar o que não lhes faz bem e bater na cara de cada um com arte, com a arte e através dela dizer: “Olha o que fazemos conosco, com o nosso corpo. Isso não é viver.", desabafa o artista.


Atualizado em: 26/08/2016 15:33:17